quarta-feira, 7 de maio de 2008

Confissões das quatro paredes parte- 2

Episodio 3:Alguém mude de canal!

Aquele típico idiota que passa os dias enraizado numa poltrona velha de um apartamento fodido, fumando maconha em frente a uma tv que exibia sua extensa coleção de filmes pornôs. Um debil punheteiro mas que tinha o melhor fumo da cidade e era facil engana-lo, ja que o cara não trabalhava com isso ele não tinha noção de como negociar. Era sustentado pelos pais que ja não o aguentavam mais, mas como um ato de piedade pagavam aquele chiqueiro em que ele morava e as demais despesas so pra manter o cara longe pra alivio do resto da familia que nunca tolerou seu desleixo extremo. Era um cara lento que passava dias sem tomar banho e que num momento de geniaalidadedescobriu um novo truque na hora da masturbação e um dia resolveu colocar isso em prática batendo uma punheta com um saco plástico na cabeça. Como eu sei disso? bem, fui la pra descolar algum fumo e quando abro aquela porta cainndo aos pedaços me deparo com o imbecil morto com o pau na mão e um saco de lixo na cabeça. Não sabia se começava a rir ou a vomitar,mas não tinha tempo pra isso e fui logo ao que me interessava e catei toda a erva que ele tinha. O que eu poderia fazer pelo cara? só desejar que ele tivesse ao menos gozado antes de morrer.

Episodio 4: Liga da sodomia e a justiça atras das grades

Um cara meio retardado, filho de um pastor que devia ter uns 30 anos e morava sozinho numa casa velha caindo aos pedaços, porém, pasavva o maior tempo nas ruas perambulando e falando sozinho vestindo uma capa e capuz iguais ao uniforme do Batman que ele havia feito com alguns trapos e essa mania lhe rendeu o previsivel apelido de Batman e uma certa popularidade entre as crianças do bairro. Ele costumava brincar dizendo que estava a procura de um parceiro entre os moleques e o escolhido seria o seu robin e juntos eles iriam fazer justiça combatendo o crime. Mas uma surpresa nada agradavel foi quando acharam alguns 'robins" no quintal da casa do cara e todos mortos e com sinais de abusos sexual. O doente ainda removia o pênis da vítima e guardava numa vitrine que estava na sala de jantar em frente a mesa onde fazia suas refeições olhando pra sua mórbida coleção de pirocas mortas. Ninguém imaginava que o nosso herói fazia parte do seleto grupo que tem como integrantes Jesus Cristo e Michael Jackson. Pois é, Batman não era Jesus mas adorava aquele lance biblico de "vinde a mim a s criancinhas". Conseguiram pegar o pedofilo fantasiado de morceego e logo o jogaram numa cela com mais 20 presos que logo se prontificaram em mostrar pra ele a dor que ele havia causado em tantos moleques daquele bairro pacato e tedioso. Depois de horas sendo penetrado pelos companheiros de carcere, o homem-morcego tinha um belo estrago pois leh abriram uma cova no cu. Já era tarde pra levar uns pontos no rabo e la na cela com o chão cheio de mijo ele sangrou até morrer ccom uma cova aberta no cu e sem nenhum velório ou choro, só urina e sêmen misturados no chão severo, duro e frio que o encarava fazendo justiça como nenhum herói ja mais fez. E os 20 caras ali como uma Li ga assistiam todo o resultado de sua implacavel punição.

Episodio 5:A boca mais quente que se pode sentir

Ela esfregava aquele sexo quente e úmido na minha boca e enquanto isso gemia insanae indecente, suja e doente como só o inferno poderia ser. Logo estava em cima de mim a pervesão e ereto, firme não conseguia parar de olhar pros seus seios que apontavam pra mim como num desafio e tudo explodiu num único espasmo em uma convulsão febril que fez dois corpos desabarem na cama exaustos sem proferir uma palvra assim como deve acontecer nas guerras. Finalmente havia cconseguido alguma shoras de sexo com garota dos tempos de colégio que por anos manteve meu pau duro simplemente passando por mim com todo aquele sexo jogado na minha cara. Um erro perfeito em curvas e num rosto malicioso que compeltavam a minha obssessão doentia pela mulher mais linda que ja conheci. Com o tempo eu comecei a querer mais, queria conhecer a dona do corpo, mas ali na cama não haviamos travado nenhum dialogo então resolvo chama- la pra sair e tomarmaos um café logo depois que levantamos da cama. Elaa coloca aquele vestido com um decote convidativo e vai em frente em direção ao elevador e me sinto inofensivo,indefeso seguindo aquela mulher que acaba nos conduzindo pra um café granfino cheio de gente fresca que ficava logo na esquina. Na conversa ela me fala do marido rico e decadente que nunca esta presente e comela a falar de sonhos futeis e pouco a pouco meu pau ja não fica mais duro como antes e ela me fala de seus sonhos broxantes com um futuro convencional e que seu marido não é nada mais do que grana pra ela consigo perceber que eu era só um pinto a mais pra aquela que tinha sido durante anos pra mim a única mulher que eu gostaria não só de foder como também de viver e conhecer junto com o tempo que passava todas as suas nuances,cores,cheiros e sabores. Queria saber quem ela era mas em alguns poucos minutos eu descobri que ela era mais vazia que minha chicara de café que ja estava esfrianddo assim como as sensações que antes tinha. Me levanto e não falo nada deixando ela la confusa gritando o meu nome e só olho pra tras e ergo o dedo médio. Lembrei da Dora, uma gorda esquista ee sem graça que nem com viagra você conseguiria ter uma ereção por ela. Todos sabiam o quanto ela gostava de mim, que ela sempre gostou do que eu fazia e das coisas que falava. Um dia ela veio me falar tudo que sempre quis e tentou me beijar e logo acabei com ela cuspindo uma sequencia de palavras depreciativas a queima roupa matando o pouco de inocência que ainda restava naquela mulher. fiz essas coisas que tornam a gente humano e que todos estranhamente se orgulham de fazer e contam aos amigos nos botecos da vida morrendo de rir de suas vítimas perdedoras sempre destinadas ao esquecimento. Lembrei que Dora morava em um bairro distante em uma casa pequena com seu filho de 3 anos cego e que haviam sido abandonados pelo pai do garoto que ainda conseguiu espancar a pobre mulher e deixala hospitalizada por um tempo. Chego em frente daquela casa apertada e bato na porta e ela atende me vendo e desabando em lágrimas mas com toda a convicção que eu nunca tive com nenhuma mulher que ja passou pelo meu caminho eu a agarro e beijo aquela boca gorda arrancando seu vestido com tamanha urgência que logo esqueço de qualquer pudor e a jogo no chão me perdendo entre seus seios fartos e entre aquela caverna que ela tinha no meio das pernas e comecei a foder com aquela mulher ali memso na sala em cima daquele tapete mofado. Ela urrava não parava e me chupou como se fosse a última coisa que fazia na vida. Ficamos horas abraçados e conversamos sobre muita coisa e ela me xingou ddurante boa parte da conversa. Ela sabia como me ofender e parecia me conhecer de uma forma que me deixou surpreso. Nunca havia percebido o quanto ela me conhecia e quanto me identificava com ela. Dora me trouxe uma ereção constante que nunca tinha antes. Passei a frequentar sua casa todas os dias e conversavamos e costumava ler as ccoisas que ela escrevia e em nada pareciam com aquelas papos enfadonhos e convencionais dignos de qualquer livro de auto-ajuda. Ela não era sempre cheia como as generosas chicaras de café que me servia. Hoje Dora é muito mais gostosa que a garota dos tempos de colégio, gostosa com todos os sua barriga gorda e jeeito esquisto, gostosa como ela é e o que ela faz com a boca é muito mais do que chupar bem. A garota do colégio nunca conseguiria com aquela boca perfeita proferir palavras que formassem um assunto interessante que prendesse a sua atenção. Só me arrependo de n ter percebido que o filho cego da Dora estava na sala escutando a tv ja que não poderia fazer outra coisa e enquanto isso eu comia sua mãe no tapeete sem perceber a presença do garoto ali no sofá. Sorte a dele que sendo cego vai enxergar as mulheres do jeito que elas realmente são. Sem enxergar os vazios mesmo cego ele cai conseguir ver o que realmente importa. Pelo menos seria o mais provavel considerando o fato ddo moleque ser inteligente pra caralho. O estranho é que ele não gostou muito de mim mas não sei se pelo fato de ter comido a mãe dele ali do lado enquanto ele tentava escutar as vozes dos desenhos animados ou pelo fato de, segundo ele, eu seria um cara que fede a merda de cachorro. Um dia ele vai enxergar e entender quando conhecer alguma garota que não seja uma xicara vazia.

Um comentário:

Clarissa Marinho disse...

Gostei.Uma coisa bem Bukowiski!
=)