domingo, 22 de junho de 2008

Ou seria um jogo dos 7 erros?

Tem sido foda juntar os meus pedaços espalhados pelo chão, e aquele quebra-cabeças infantil não parece mais tão simples como outrora. As peças não se encaixam como antes talvez porque as peças não sejam mais as mesmas. Um quebra-cabeças dentro de um labirinto enquanto brinco de roleta russa num caleidoscópio é uma definição esquizofrenica pra explicar o fato não muito honroso de ser humano. Olhando em volta vejo sorrisos tão vazios como as tardes de domingo e me pego sorrir também tão vazio quanto. Alguns se acham especiais demais, algo como o escolhido pra representar a perfeição com doses desagradáveis de seu bom gosto forçam a barra com seu sarau interminável de masturbação ao ego. Um dia todo o conhecimento que tantos usam como troféu não terá mais a função de luz no fim do túnel porque até a luz no fim do túnel vai ser cortada por falta de pagamento. O preço é a vida e o lucro é a morte diriam alguns que logo seriam taxados de pessimistas mas eles tem la sua coerência em tais afirmações do tipo. Eu diria que apesar de todos os meus fragmentos bagunçados o preço tem sido bom pra mim, eu gosto dele e espero ter um lucro calmo depois de pagar muito o tal preço. Guardem seus conceitos no cu pois no final todo mundo é diferente o problema é que arrumamos as diferenças como desculpa até pra derramar sangue quando na verdade eu acho que seria bem mais divertido matar por matar mesmo. Até por Jesus se mata, por que não matar só pra ver alguém sangrar? alguém disse que te ama? você devia ter implorado por uma bala na cabeça ao invés de tal frase tão desprovida de amor. Muita gente acha que o mundo é lindo e esquece o lado feio varrendo a sujeira pra debaixo do tapete achando que fez ela desaparecer. Cague e encare a merda de frente com todo seu fedor. Não procure nomes e apenas sinta. Acho que procurei nomes demais por muito tempo pras peças que não consigo juntar mais com a mesma facilidade por isso anda tão complicado juntar as coisas. Agora não importa mais! eu posso simplesmente jogar algumas peças fora, não vejo problema em algumas coisas serem incompletas assim como ainda tenho muito juízo pra perder. Portanto a única frase que importa é o redentor foda-se sempre omnipresente.

Um comentário:

Clarissa Marinho disse...

Um tapa na cara,um soco no estômago teu texto...Muito bom,muito claro,muito direto!